quinta-feira, 24 de março de 2011

Síndrome da dor patelofemoral





A síndrome da dor patelo-femoral ou síndrome patelo-femoral é uma das queixas mais comuns relacionadas ao joelho particularmente em adolescentes ou adultos jovens. Afeta mais frequentemente atletas e a populaçào sedentária do sexo feminino. É definida como uma dor na região anterior do joelho e/ou retropatelar, sendo agravada durante atividades esportivas, subida e descida de escadas, caminhadas em terrenos acidentados, agachamento ou quando sentado por tempo prolongado.
A dor da síndrome não deve ser confundida com dor diretamente na patela, o que configura tendinite patelar.


Para o diagnóstico tem-se que excluir patologias intra-articulares e tendinites/bursites patelares, doença de Osgood Schatter's, neuromas...
Muitas teorias tem sido propostas para explicar suas causas. A literatura em geral e experiência clínica sugerem origem multifatorial:
- Overuse ( pressão extra entre a patela e o fêmur na flexão do joelho)
- Problemas de biomecânica e disfunção muscular. Não há fator biomecânico único: Pés planos ou pronados (causam rotação interna compensatória da tíbia ou anteroversão do fêmur), Pés cavos ( causam mais estresse no mecanismo femoropatelar, especialmente na corrida), ângulo "Q"( Um aumento no ângulo "Q" poderia predispor à dor femoropatelar)
- Causas musculares (podem ser divididas em fraquezas e encurtamentos. O mais comum é a fraqueza do quadríceps, mas músculos como vasto medial oblíquo, isquiossurais e trato iliotibial podem estar envolvidos.



Tratamento





Os problemas femoropatelares devem ser tratados inicialmente de maneira conservadora.





*Fisioterapia - O fortalecimento do quadríceps é recomendado pois exerce importante função no movimento patelar.





Os músculos do quadril, isquiosurais e o trato da banda iliotibial também de vem ser considerados e avaliados, além da correção biomecânica.





*Repouso relativo





*Gelo e drogas anti-inflamatórias (OBS: algumas vezes oa pacientes não respondem bem a essas drogas)





*Órteses ( apesar de citadas na literarura, seu uso é controverso. Parece mostrar resultado quando o paciente apresenta subluxação lateral)





*Taping (McConnel)/bandagens funcionais ( em grupos seletos)





*Uso de calçados adequados





*Cirurgia















Manuela Belo Franco Bárbara





Fisioterapeuta especialista em Fisioterapia Geriátrica - FCMMG- MG





Instrutora de Pilates

6 comentários:

  1. quanto tempo dura o tratamento ?

    ResponderExcluir
  2. Fui diagnosticada com esse problema e estou tratando com a Natação, mas nao deu muita diferença e ainda sinto muita dor, gostaria de saber: tem cura? ou ficarei com esse problema sempre?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite!! Natação não resolve. Tem que fazer um trabalho de reforço e equilibrio muscular.

      Excluir
    2. fiz natação por 4 anos e ajudou muito por ordem do ortopedista ,depois ele me indicou fazer musculação que melhorou muito ,é muito dificil sentir dor mas ja quero desistir da musculação pois odeio pegar peso ,praticar algum esporte ou voltar p natação

      Excluir
  3. Olá. Tenho esse problema e estou tratando. Primeiro fiz a fisioterapia com alguns exercícios de alongamento e colocando gelo e agora faço pilates para o fortalecimento da musculatura e também alongamento. Gostaria, no entanto, como a pessoa que fez a pergunta anterior, de saber se eu vou poder ser curada completamente ou se devo conviver com o fato de não poder fazer exercícios como andar de bicileta ou fazer corrida, fazendo o pilates apenas para aliviar a tensão e a dor.

    ResponderExcluir
  4. complicado isso, fui diagnosticado com o mesmo problema e passaram um medicamento de farmácia de manipulação ( sulfato de glucosamina )e mandaram-me malhar... não foi me dito grau e nem passado indicação à fisioterapia.. :( , complicado, pra quem tinha uma vida esportista e agora limitada a dores em eventuais "abaixadas de mal jeito"..

    ResponderExcluir