segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Lesões de ombro


As lesões no ombro do atleta podem ser causadas por dois mecanismos: macrotrauma, que é o trauma agudo, de alta violência, resultando em fratura, luxação, roturas tendinosas ou ligamentares; e o microtrauma, o mais comum, que está relacionado com o excesso da prática esportiva.
À medida que os tecidos são submetidos ao estresse pela prática esportiva, o organismo reage com hipertrofia tecidual, que funciona como um mecanismo de proteção contra lesões.
A dor no ombro acomete com frequência atletas que arremessam intensamente. Geralmente a origem da dor encontra-se nas estruturas ligamentares e tendinosas, podendo ter inicio nas estruturas ósseas em caso de atletas em fase de crescimento.
A articulação do ombro humano é a que possui maior amplitude de movimento. Por outro lado é uma das mais instáveis. A cabeça do úmero é cerca de quatro vezes maior do que a cavidade glenoidal e, para manutenção da congruência articular, necessita basicamente dos estabilizadores, que são divididos em:
Estáticos: Pressão hidrostática negativa, lábio glenoidal, cápsula e ligamentos.
Dinâmicos: Músculos e tendões.
Ambos os estabilizadores trabalham em equilíbrio, cujo resultado é a estabilidade da articulação.
A alteração da cinemática do ombro pode provocar estresse excessivo em ligamentos, lábio glenoidal e tendões, resultando nas lesões.
O tratamento inicial consiste num repouso relativo a fim de evitar movimentos dolorosos e analgesia. Uma vez reduzida a dor inicia-se um programa de fortalecimento e alongamento muscular específico para cada caso.
Referência: SBOT
(Alberto Naoki Miyazaki e Rogério Teixeira da Silva)
Manuela Belo Franco Bárbara
Fisioterapeuta Pós-graduanda em fisioterapia geriátrica pela FCMMG-MG
manuelabelo@yahoo.com.br

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Postura



Segundo Magee, postura é uma composto das posições das diferentes articulações do corpo num dado momento. A postura correta é a posição na qual um mínimo de estresse é aplicado em cada articulação. Já de acordo com Palmer & Apler a postura correta consiste no alinhamento do corpo com eficiências fisiológica e biomecânicascmáximas, o que minimiza os estresses e as sobrecargas sofridas ao sistema de apoio peloscefeitos da gravidade.

Para que a articulação sustentadora de peso fique estável, ou em equilibrio, a linha da gravidade de sua massa precisa cair exatamente no eixo de rotação, ou precisa ter uma força para contrabalancear a força da gravidade. No corpo, a força de contrapeso é feita por músculos ou estruturas inertes. A postura ereta normalmente envolve um leve balanço ântero-posterior do corpo de cerca de 4cm.

Na postura ereta ocorre :

A linha da gravidade fica anterior ao tornozelo e a estabilidade é dada pelo flexores plantares, primariamente o sóleo.

Em relação ao joelho, a linha da gravidade também passa anteriormente e tende a mantê-lo em estensão. A estabilidade é dada pelo Ligamento cruzado anterior, cáspula posterior e tensão dos músculos posteriores do joelho ( gastrocnêmio e isquiostibiais).

No quadril, a linha da gravidade varia de acordo com o balanço do corpo. Quando desloca-se posteriormente ocorre alguma rotação posterior da pelve, mas esta é controlada pela tensão dos músculos flexores do quadril ( principalmente o ileopsoas) e passivamente pelo ligamento iliofemoral.

Normalmente, a linha da gravidade passa através dos corpos das vértebras cervicais e lombares, de modo que as curvaturas são equilibradas.


Referências:


KISNER, C.; COLBY, L.A. Exercícios Terapêuticos: fundamentos e técnicas. 3.ed. São Paulo: Manole, 1998.




Manuela Belo Franco Bárbara

Fisioterapeuta pós-graduanda em fisioterapia geriátrica pela FCMMG-MG


Atendimento domiciliar em Belo horiozonte.